Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Setores da Saúde
Vigilância em Saúde
Vigilância Sanitária
Cidadão
Você Sabia
Vigilância Sanitária
Você Sabia
21/11/2018 Superbactérias: de onde vêm, como vivem e se reproduzem Conter a resistência aos antibióticos dependem tanto dos pacientes como dos profissionais que prescrevem os medicamentos e dos outros profissionais de saúde

Superbactérias: de onde vêm, como vivem e se reproduzem

Bactérias que se tornam mais fortes por causa do uso indiscriminado e errado de antibióticos. O que pode parecer alarmismo é um risco real e, mais do que isso, uma realidade nos sistemas de saúde de todo o mundo. A resistência aos antimicrobianos, especialmente a resistência aos antibióticos, é um tema que preocupa especialistas de todo o mundo.

A explicação para o surgimento de bactérias mais resistentes está na teoria da seleção natural das espécies, elaborada por Charles Darwin. Quando são expostas aos antibióticos, um grupo pequeno de bactérias mais fortes pode sobreviver e posteriormente se reproduzir. Isso significa que, a cada geração, as bactérias mais resistentes dão origem a outras bactérias que também são resistentes.

Quando o microrganismo é resistente a um ou mais antimicrobianos de três ou mais categorias, dizemos que ele é multirresistente. Essa resistência pode surgir por uma mutação que dá ao microrganismo condições de resistir ao medicamento. Também pode acontecer pela troca de material genético entre microrganismos comuns e microrganismos resistentes.

O problema é mais frequente com antibióticos, mas também afeta antivirais, antifúngicos e antiparasitários. Antimicrobiano é o nome comum para todos estes medicamentos. Por isso, o uso de antimicrobianos adequados, no tempo correto e na dosagem correta é fundamental para evitar a sobrevivência de bactérias mais resistentes.

Além disso, outros fatores também contribuem para o surgimento de superbactérias. Conheça os principais:

• Tratamento de maior ou menor duração do que recomendado pelo médico.
• Uso de antibióticos para tratar doenças que não são infecções bacterianas, como a gripe, por exemplo.
• Uso de antibiótico não indicado para o tipo de bactéria que está causando a infecção.
• Uso inadequado de antibióticos na área veterinária, especialmente em animais utilizados para o consumo humano.
• Falta de um bom controle de infecções nos serviços de saúde.

O principal problema da resistência é a redução das opções de antibióticos para tratar infecções causadas por bactérias mais fortes. Cada vez que uma pessoa adoece por causa de uma bactéria resistente, o tratamento se torna mais difícil. Se esta pessoa estiver infectada por uma bactéria multirresistente, ou seja, resistente a diferentes antibióticos, é possível que não se encontre um tratamento adequado.

Isso, obviamente, assusta, mas medidas para conter a resistência aos antibióticos dependem tanto dos pacientes como dos profissionais que prescrevem os medicamentos e dos outros profissionais de saúde. Confira aqui as principais orientações para evitar o surgimento de bactérias resistentes e multirresistentes.

Telefones úteis