Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro faz concerto em homenagem ao Setembro Verde no Centro da capital 15/09/2021 Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro faz concerto em homenagem ao Setembro Verde no Centro da capital Mês chama atenção para a importância da doação de órgãos

Nesta quarta-feira (15/09) a Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio do Programa Estadual de Transplante (PET), promoveu um concerto gratuito no Centro da cidade do Rio para chamar atenção da população para a importância da doação de órgãos. A apresentação da Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro (OSJRJ) aconteceu nas escadarias do Theatro Municipal durante a hora do almoço. Centenas de pessoas pararam para assistir aos 55 jovens concertistas, com idade entre 15 e 26 anos. A apresentação incluiu clássicos e MPB. Entre as peças, foram executadas “As Bachianas”, de Heitor Villa-Lobos, “Libertango”, de Astor Piazzola, “Carinhoso”, de Pixinguinha, “Feira de Mangaio”, de Sivuca e Glorinha Gadelha, e “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso.

Durante todo o mês, para incentivar e divulgar o Setembro Verde, a SES e o PET estão promovendo eventos que fortaleçam a mensagem junto à população. O primeiro ato foi iluminar o Cristo Redentor. No dia 2, o principal símbolo do país, foi colorido de verde. Depois foi a vez do Palácio Tiradentes, antiga sede da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, e agora, dia 14, a Câmara dos Vereadores. No dia 27 será celebrado o Dia Nacional da Doação de Órgãos.

- O Rio de Janeiro é o terceiro estado que mais faz transplantes no país, atrás apenas do Paraná e de São Paulo. Vamos continuar investindo para avançar e melhorar ainda mais este cenário, credenciando mais centros transplantadores, estimulando as universidades a realizarem transplantes e aperfeiçoando todo o sistema de captação para que possamos captar o maior número de órgãos possível – afirma o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.


- Falar de transplante é falar de tratamento para pessoas que tenham doenças crônicas, pessoas que estão sofrendo. Por isso, a doação de órgãos é tão importante e ajuda tanto as pessoas. Basta avisar os familiares que você tem a intenção de ajudar outras pessoas - explica o diretor geral do Programa Estadual de Transplantes, Alexandre Cauduro.

Música tocou quem passava pela Cinelandia

Paulo José Botelho, o mestre Paulinho, diretor da bateria campeão pela Beija-Flor e Vila Isabel e que também comandou as baterias da Viradouro e Caprichosos de Pilares, tinha ido ao médico e ao ouvir as canções executadas pela Orquestra e o motivo da apresentação fez questão de saudar os representantes do PET e os músicos.

- Eu estava passando por aqui e tive essa surpresa. Sou amante da música e a ação é muito legal. Claro, vim aqui parabenizar – conta ele.

PET é referência na captação de órgãos no Brasil

Criado em 2010, o Programa Estadual de Transplantes (PET) realiza a captação de coração, fígado, rim, pâncreas, pulmão, pele, córnea, etc. Em 11 anos, o programa foi responsável pela renovação da vida de mais de 6.900 pessoas por meio de transplantes de órgãos sólidos (categoria que engloba os transplantes de fígado, pulmão, intestino, rim, pâncreas e coração) e recuperou a saúde de inúmeros pacientes com transplantes de ossos, ligamentos e pele.

Em 2020, 1074 transplantes foram efetuados, sendo 376 córneas e 698 de órgãos sólidos, sendo 22 de coração; 270 de fígado; 384 de rins; além de um transplante simultâneo de coração e rim; 10 de rim e fígado; e 12 de rim e pâncreas. O Estado do Rio ocupa o 3º lugar em número absoluto de doadores no ranking do Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

De janeiro a julho de 2021, foram realizados 748 transplantes de órgãos, sendo 346 córneas transplantadas, 14 corações transplantados, 157 fígados, 220 rins; além de 9 cirurgias simultâneas de rins e pâncreas, 1 simultânea rim e coração, 2 simultâneas rim e fígado, 1 transplante triplo de rim, fígado e coração e uma multivisceral (fígado, pâncreas e intestino transplantados simultaneamente) e um transplante paratireóide.

Depois de 15 anos, o estado do Rio de Janeiro voltou a realizar transplante de pulmão. A Secretaria de Estado de Saúde habilitou a equipe do Instituto Nacional de Cardiologia para a cirurgia, possibilitando que o Rio de Janeiro passasse a ser o terceiro estado do país a realizar esse tipo de transplante.
Para se tornar um doador, em primeiro lugar, é preciso que a pessoa expresse o desejo de doar junto à família e aos mais próximos. O transplante é um ato que precisa de consentimento.

- É o ato de solidariedade, capaz de renovar a vida de alguém, também pode ser extremamente importante num momento de tristeza, para a família do doador. Saber que está salvando a vida de alguém pode ajudar a diminuir a nossa dor e a dor dos familiares - acrescenta Chieppe.

A OSJRJ

A Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro (OSJRJ) é formada por 55 jovens de 15 a 26 anos. A maioria deles é morador de comunidades carentes do Rio de Janeiro e alguns em situação de vulnerabilidade social. Por meio da música, podem renascer e superar as condições em que vivem, transformando o futuro.

Telefones úteis