Fechar rede
Siga-nos
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Menu
Home Busca Menu Redes
Empoderar adolescentes é essencial para prevenir gravidez precoce 02/01/2018 Empoderar adolescentes é essencial para prevenir gravidez precoce É importante entender que os jovens têm direitos sexuais e reprodutivos que precisam ser respeitados

Além de fornecer informação e acesso a métodos contraceptivos, é necessário trabalhar o empoderamento na vida das adolescentes brasileiras para prevenir a gravidez precoce. A afirmação é do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Conforme a oficial de programa do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Anna Cunha, disse durante audiência pública sobre o tema na Câmara dos Deputados em Brasília (DF), não basta ter informação sem ter o empoderamento das meninas.

Para ela, os serviços de saúde precisam acolher as adolescentes de forma humanizada e com qualidade. Além disso, as escolas devem permitir que adolescentes mães possam retomar suas trajetórias educacionais bem como devem ser estabelecidos mecanismos para que o mercado de trabalho não discrimine essas jovens mães.

Segundo a oficial do UNFPA, o Brasil segue a tendência latino-americana e caribenha. No país, o índice de nascimento de bebês de jovens com 19 anos ou menos é de quase 20%. A maior parte das mães adolescentes reside no Nordeste; quase 70% são pretas e pardas; elas têm em média sete anos de estudo; e 20% ficam sem estudar e sem ter trabalho remunerado após engravidar.

Também presente na audiência, a coordenadora-geral de saúde dos adolescentes e jovens do Ministério da Saúde, Taissa Freiberger, lembrou que a gravidez na adolescência é em muitos casos decorrente de questões territoriais, culturais, étnicas e econômicas.

Ela advertiu que, apesar dos avanços e dos programas implementados nos serviços públicos de saúde, ainda há a necessidade de mudança cultural por parte dos profissionais que atuam na ponta, de forma a acolher melhor as adolescentes grávidas.

Ela destacou que é importante entender que os jovens têm direitos sexuais e reprodutivos que precisam ser respeitados, além de ter a chance de decidir quando e com quem querem ter relações e como e quando querem ter filhos. Decisões livres e responsáveis geram pessoas esclarecidas e saudáveis para terem outra trajetória de vida.

Telefones úteis